segunda-feira, 19 de agosto de 2013

2 lendas da mulher de branco no Uruguai

Lenda, mulher, branco, uruguai, rivera, parque, conto
  Conheça agora no Zona 33, duas versões sobre a lenda da mulher de branco do parque Rivera em Montevidéu, Uruguai.



1. Uma noite de outono, há muitos anos atrás, uma jovem decide ir para um passeio no parque Rivera. Apesar do vento frio que  gemia  mais que os galhos das velhas  árvores do parque. Lá, ela mergulhou em uma solidão absoluta, então ela decidiu ir embora e levar seu bebê, que teve quando ainda solteira.
   Então na véspera de seu casamento, a jovem resolveu voltar e se aventurar novamente no parque,  que agora mostrava os resultados das recentes chuvas o que o tornava vazio e perigoso. Ela olhou ao redor do lago procurando seu filho, o vento forte parecia tê-lo empurrado para o fundo do lago, desaparecendo de vista. Então ela foi atrás dele, desaparecendo.
   No dia seguinte, seu corpo sem vida foi encontrado à margem do lago do parque, nenhum vestígio do paradeiro da criança. A história diz que, desde então, ao  cair de noite, pode-se ver a jovem noiva vestida de branco ao redor do lago, andando sozinha e chorando desconsoladamente, enquanto o choro de um bebe se ouve, parecendo vir do fundo do lago.

mulher branco, rivera, montevidéu, lenda, lago 
2. Há muito tempo, vivia um casal em uma casa próxima ao local. Numa quarta-feira dia 9, enquanto o marido e a esposa estavam fora,  assaltantes invadiram a casa. O marido que havia terminado seus afazeres, voltou antes da esposa: então, os criminosos o mataram a facada. Quando eles tentaram esconder o corpo, ouviram ruídos causados ​​por sua esposa, que vestida de branco chegou em casa.
   Eles se esconderam atrás de uma porta e observaram a jovem. Aterrorizada ela descobre o corpo de seu marido. Enquanto ela chorava incontrolavelmente, os ladrões, a mataram impetuosamente com 18 facadas pelas costas. Para ocultar os vestígios, os criminosos jogaram os dois corpos na lagoa do parque.
   Desde então, os moradores dizem que todo dia nove de cada mês, pode-se ouvir gritos e gemidos estranhos vindo da lagoa, no local onde os corpos dos amantes infelizes foram lançados.


por: Lucas Casimiro





Compartilhe no Facebook Compartilhe no Tweeter Compartilhe no Google+ Inscreva-se no nosso Feed Voltar ao Início Image Map

Comente com o Facebook: